Sistema de Gestão da Informação e do Conhecimento do Semiárido Brasileiro Sistema de Gestão da Informação e do Conhecimento do Semiárido Brasileiro
Insa – Instituto Nacional do Semiárido
Sistema
Avançado
Sistema
Básico

Projeto Semiárido em Tela

O Projeto

O Projeto Semiárido em Tela é uma iniciativa do Instituto Nacional do Semiárido (Insa) em parceria com o Projeto Cine Mandacaru com o objetivo de pesquisar, capacitar, registrar e difundir a ciência e a tecnologia por intermédio do cinema, sendo a própria população protagonista na produção de obras audiovisuais que contam histórias de convivência com o Semiárido.

A Metodologia

O Projeto Semiárido em Tela desenvolveu uma metodologia própria para popularizar a ciência através de técnicas de produção em auto-registro audiovisual para crianças, jovens, educadores e representantes de comunidades tradicionais.

A metodologia utilizada se baseia na pesquisa-ação, onde os próprios alunos produzem vídeos de curtas-metragens sobre as suas vivências e experiências nas comunidades onde moram e (re) constroem uma imagem do semiárido para além da seca e da pobreza. Na pesquisa-ação desenvolve o conhecimento e a compreensão como parte da prática. O Projeto ainda tem como contexto a educomunicação que propõe utilizar de meios de comunicação para discutir e analisar a realidade de como é visto e vivido o Semiárido.

Além de aprenderem a fotografar e a filmar, os participantes são estimulados a conhecerem mais sobre suas comunidades a partir da pesquisa e investigação sobre os temas que se tornam vídeos. O Projeto promove uma interação entre ciência, cultura e a arte, com maior aproximação das pesquisas científicas e tecnologias sociais ao cotidiano das pessoas e a valorização dos aspectos culturais e humanísticos do fazer ciência.

Atuação

A 1ª experiência do Projeto Semiárido em Tela ocorreu no segundo semestre de 2013 no município de Nova Palmeira, a 230 km de João Pessoa. O Insa já desenvolvia parceria com o Centro de Educação Popular (Cenep) para a pesquisa sobre plantas medicinais da caatinga. Durante a execução do projeto piloto foram realizadas 23 oficinas para jovens entre 12 a 28 anos e 12 encontros de formação para educadores da rede pública de ensino e representantes da comunidade quilombola Serra do Abreu. Como resultado, os participantes produziram 7 curtas metragem e realização da 1ª Mostra de Cinema para exibição do material produzido para 400 pessoas em praça pública.

Ainda em 2013 a equipe do Projeto Semiárido em Tela realizou durante a Semana de Ciência e Tecnologia (21 a 27 de outubro) a oficina “A Ciência inventa o Cinema” durante programação do I Congresso Institucional da Semana de Ciência e Tecnologia na Escola Estadual Solon e Lucena, em Campina Grande-PB. A oficina foi destinada a 25 jovens com objetivo de apresentar a importância dos estudos científicos para o funcionamento dos princípios físicos da câmera escura e do início da fotografia.

O Semiárido em Tela em 2014 iniciou suas atividades no Assentamento Vitória, zona rural de Campina Grande. A popularização da ciência neste cenário consistiu em difundir as informações da pesquisa que está sendo desenvolvida pelo Projeto Águas na comunidade mirim e na construção do conhecimento prévio que as crianças já detinham sobre a situação da água, a convivência com a seca, as dificuldades e os desafios da comunidade no armazenamento e uso racional da água.

No total foram realizadas 13 oficinas para um grupo de 10 crianças entre 4 e 14 anos de idade, com carga horária de 26 horas, no período de março a maio de 2014, com o objetivo de desenvolver a capacidade de compreender, criar e produzir imagens fotográficas com a temática sobre a questão da água no Assentamento e no Semiárido, reconhecendo na fotografia um meio privilegiado de expressão, comunicação e informação pedagógica.

Atualmente o Semiárido em Tela realiza formação em auto-registro audiovisual na comunidade de Poço das Pedras, em São João do Cariri, a 208 km de João Pessoa. As oficinas ocorrem para um grupo de 23 jovens, filhos dos agricultores que participam do projeto de “Revitalização da Cultura da Palma Forrageira” desenvolvido pelo Insa.

Ações Desenvolvidas